logotype

 
Al-duff PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

AL-DUFF nasceu em Junho de 2012, no seguimento da investigação académica e da tese: “AL-DUFF: bases para a aplicação das técnicas de frame drums mediterrânicos ao adufe, séc. XXI adentro” realizada para o Master en Interpretación de Música Antiga – Percusión Histórica, na Escola Superior de Música da Catalunya e Universidade Autónoma de Barcelona (Espanha).

AL-DUFF pretende ser veículo e plataforma de informação sobre o adufe disponível globalmente através da Internet.

AL-DUFF pretende também fomentar o toque e construção do adufe, tendo como base o Saber tradicional. Reintroduzir o adufe nas práticas musicais nacionais e promovê-lo internacionalmente, aproveitando o interesse crescente pela cultura tradicional (danças e músicas tradicionais) e a disseminação surpreendente dos frame drums a nível mundial iniciada por volta de 1970.

 

A estratégia de AL-DUFF assenta em quatro pilares:

1. Investigação Académica:

Constante revisão da literatura existente; produção de conhecimento através de teses, artigos e comunicações; relação de proximidade com outros investigadores a nível mundial. "Recolha" e centralização  de informação que vai aparecendo online (textos, multimédia, etc), na página http://www.facebook.com/al.duff.portugal.

Trabalho de campo nas regiões onde a Tradição do toque e construção do adufe se mantêm. (Visitámos até agora: Idanha-a-Nova, Idanha-a-Velha, Monsanto, Penha Garcia,  Salvador, Malpica do Tejo, Rosmaninhal e Castelo Branco)

           

2. Organologia:

Análise inovadora do instrumento tradicional e do seu processo construtivo; catalogação de adufes. Desenvolvemos até agora vários protótipos em parceria com artesãos e construtores, que demonstram grande potencial sonoro e musical.

 

3. Performance:

Adaptação e aplicação de novas técnicas ao adufe, explorando-o em novos contextos.

No âmbito da minha prática performativa, utilização do instrumento na Música Antiga, como instrumento de Percussão Histórica (Sete Lágrimas ECMC, Touli Ensemble, Capella Duriensis, Ensemble Vocal de Música Antiga da ESMAE); na world music (Contracorrente); em sessões de gravação em estúdio (Sete Lágrimas, Carlos Peninha, Contracorrente, Hadji Silva Murittu Boyd)

 

4. Formação:

Realizamos workshops e seminários sobre o toque e a construção do adufe por todo o país, “pondo-o nas mãos” do grande público. Temos desenvolvido e sistematizado um método de ensino através de sílabas, intuitivo e acessível a todos os níveis de formação e escalões etários. Desde Fevereiro de 2013, disponibilizamos aulas de adufe online, via skype, para um público global. 

 
Rui Silva PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

1984, Coimbra. Músico e artesão de adufes.

Estudou Percussão na Escola Profissional de Música de Espinho (2002-2005) e na Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo do Instituto Politécnico do Porto (2005-2009).

Em 2012, especializou-se em Percussão Histórica, concluindo, com nota máxima, o Master en Interpretación de Música Antigua, na Escola Superior de Música de Catalunya (Espanha), tendo sido aluno de Pedro Estevan.

No mesmo ano, no seguimento da sua tese de mestrado ("Al-duff: bases para aplicação das técnicas de frame drums mediterrânicos ao adufe, séc. XXI adentro”), deu início ao projecto de investigação AL-DUFF, que partindo da Tradição Oral portuguesa do toque do adufe sugere uma abordagem inovadora  sobre a sua organologia, técnicas de execução, performance e ensino.

Em Agosto de 2014, repetirá a presença no Tamburi Mundi - International Frame Drum Festival  em Freiburg, (Alemanha) como formador e performer.

É percussionista das Sete Lágrimas - Consort de Música Antiga e Contemporânea, com o qual tem participado nos mais importantes festivais europeus de música antiga (Stockholm Early Music Festival, Festival de Sablé-sur-Sarthe, Gent Festival van Vlaanderen, Fora do Lugar - Idanha-a-Nova, entre outros). Com as Sete Lágrimas gravou Terra (2011), Península (2012) e Codax (a ser lançado em breve). 

Também no âmbito da música antiga é músico e co-director artístico do Touli Ensemble, um projecto que cruza música tradicional portuguesa, música antiga e música mediterrânica.

É músico e fundador do projecto Hadji Silva Murittu Boyd, que reúne músicos, músicas e instrumentos tradicionais da Argélia, Irlanda, Itália e Portugal.

Em Março de 2014, participou na peça "Almada nada" (encenada por Ricardo Pais, a partir de "Saltimbancos" de Almada Negreiros) com Pedro Almendra e Momentum Crew, para a qual compôs e tocou percussão ao vivo.

Vive actualmente no Porto. É professor de Percussão e Bateria (Curso Livre) no Fórum Cultural de Gulpilhares.

Toca com instrumentos Missom, Rui Silva - Adufes, Red Clay, e adufes tradicionais José Relvas.

 
FONTE RESORT é,  desde de Abril de 2013, mecenas deste projecto (http://www.aldeiadafonte.com).

alt

 

 

Apresentação Contextualização Protótipos
Rui Silva Localização Performance
Mecenas Construção Formação
Notícias Toque do adufe Links
Calendário Al-duff Contacto
Tradição Investigação